quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Cheiro do amor



Pétala por pétala
Ajuntou o meu amor
Não conseguiu formar uma rosa
Mas meu coração desenhou.

Então ele bateu suas asas
Como um beija-flor
E saiu voando baixinho
Deixando sonhos pelo caminho.

Novamente ela recolheu as pétalas
E no ar assoprou
O coração foi embora
Mas o meu cheiro ficou.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

Miragem



Ainda estou aqui
Onde ninguém imagina
Onde começa o sol
Onde termina a colina.

Estou verde
Entre as areias
Tudo me parece deserto
Mas tenho esperanças.

Sou à sombra do meio dia
Pequena paisagem
Um frágil oásis
Pois só eu tenho águas.

Minhas raízes profundas
Resistem aos ventos
E a cada dia que possa...
Sou uma miragem de mm mesmo.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Ore!



Quando começar a procurar pelas cores
Quando seu dia começar a parecer com a noite
Quando sua tarde ficar sem sol
Quando vida parecer findar-se.

Quando as saídas se tornarem becos
Quando as esperanças ficarem distantes
Quando seu amor parecer acabar
Quando seu grito se prender na garganta.

Quando a nevoa chegar
Quando a fumaça abafar
Quando todo o céu estiver cinza
Quando você não mais enxergar os horizontes.

Ore! Para que as nuvens cinza
Se tornem “chuvas de benções”.

Autor: Gilberto Ferandes Teixeira

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Amor embaçado


Porquanto a chuva caia
Estava pensando em você
Nas suas lágrimas
Nos seus soluços.

No vidro embaçado
Eu desenhava seu rosto
Na nevoa da minha respiração
No hálito do meu peito.

Eu olhava para a sua dor
“Como dói amar sem ser amada”
Então também chorei
Por descobrir tal segredo.

Mas a chuva não deu tréguas
E seu rosto foi sumindo
Meus dedos ficoram molhados
Com as lágrimas do amor que nunca existiu.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Germinar



Quero um solo fértil
Gotas de chuva
Sementes de amor
Um gesto dizendo sim.

Quero uma terra fofa
Feito urso de pelúcia
Envolvente
Coração quente.

Quero germinar
Morre e brotar
Ao cheiro das águas
Feito semente.

Semente de gente.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Amar Ela


    
Tento beber de outras fontes
Mas só encontro gotas
Então retorno as flores.

Por que são mananciais
São as veredas dos amantes
As almas dos perfumes.

A poesia e a rosa
Uma dentro da outra
Espelho de mim mesmo.

Reflexo do meu eu
Amarela
Amar... Ela...

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Nada



Eu poderia ter falado das praças
Das fumaças
Das vidraças embaçadas
Das namoradas.

Dos pés na estrada
Da vontade de ir
Da vontade de voltar
Do marasmo da vida.

Eu poderia ter falado das flores
Dos canteiros
Dos jardins
E até dos colibris.

Eu poderia ter falado da maresia
Das horas vazias
Do tédio
Da angustia e da paixão.

Eu poderia ter falado do sol
Das estrelas
Dos rios, dos lagos e do mar.
Poderia ter falado da noite.

Mas eu falei só de você
Mesmo que você ainda não tenha
Escutado nada sobre isto.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Faça com o coração



Ponha  seu coração em tudo
Que seu dia será mais belo
Em vez de fazer uma casa
Você poderá construir castelos. 

Ponha seu coração na frente
Mas observe as suas emoções
O amor fica muito  afoito
Principalmente quando se ama.

Faça seu coração ficar vermelho
Que rosas enfeitaram seus passos
Não deixe seu coração amarelar
Nem o plante em qualquer lugar.

Faça tudo com o coração
Você se sentirá muito melhor
Mesmo que não dê certo
Já valeu a pena por ter tentado.

Agora! Deixe seu coração sonhar
Regre a vida com mais amor
Caminhe bem devagar
E vá distribuindo felicidade...

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Vulcão de cores



Algo em mim quer jorrar cores
Estou pintando o sete
Voltei à paleta da vida
E ao arco íris dos amores.

Meus pigmentos voam e assentam-se
Se arrastam e deslocam no caos
Rodo o pincel feito um louco
As cores derramam como sangue.

A paixão parece ser maior que o coração
O branco pulsa e transborda no vazio
O amarelo quer me puxar para o centro
Tudo fica agitado e vibrante.

Estou sendo engolido pela tinta
Estou sendo tomando pelas emoções
Então entro na espiral das sombras
Para me tornar a luz do quadro.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Baobás



Estou dando cambalhotas
De cabeça para baixo
Feito baobás
O céu é o meu limite.

Minha alma quer voar...
Minhas folhas são raízes invertidas
Na noite é que cresço
E dou minhas flores...

No mundo do pequeno príncipe
Era uma árvore problema
Mas na realidade sou árvore grande
E bonita.

Estou plantado não sei se para cima
Ou para baixo
Mas isso pouco importa
Pois estou crescendo em mim mesmo.

Autor; Gilberto Fernandes Teixeira

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Reencontro



Ancorei a beira do mar
Depois de navegar pelos sonhos
Estava em uma ilha deserta
Sobre as areias do esquecimento.

Esperei dias e horas pelo vento
Por uma brisa vinda do sul
Queria chegar ao cais da alegria
Mas o farol da esperança apagou.

Fiquei na praia curtindo o sol
Reacendendo a luz da vida
Amanhã parto bem cedo
Para reencontrar minha querida.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Hoje é o dia!


Hoje é o dia de dividir as alegrias
Deixar ser carregado pelos amigos
Brincar até ser chamado para dentro
Hoje! Será proibido proibir coisas sadias.

Sim! Hoje é o dia de dizer: “eu te amo”
Sem medo e com  o coração na frente
É o dia de se sentir o céu
Mesmo ainda estando na Terra.

Hoje! Pode ser um dia diferente
Sem pressa, dividido entre os amigos.
Hoje! Podemos dar mais do que recebermos
Ouvirmos mais do que falarmos. 

Hoje!  Ajuntaremos nossa turma
Lembraremos do tempo de escola
Dos projetos inacabados
E de nossa amizade sem limites...

Hoje! Só quero te dar o luxo de sorrir.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

A razão do amor


Não, não há razão no amor.
Pois ele acontece de forma natural
Quando ele nasce
Cativa os corações.

Cuida, do que lhe pertence.
Não queira ir além disto
A cada dor e a cada delicia
O amor é o sabor do momento.

Abra seu bico
Receba seu alimento
Sacie a sua fome
Por que só o amor regurgita.


Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

Matrix enferrujada



Sonhar e não acordar dos sonhos
Ir além das realidades
Não separar os sonhos das utopias
Misturar todas as ideologias.

Assim levo à vida
Derretendo metais
Meu herói sofre do coração
É uma lata velha.

Que precisa ser reciclada
Descer ao fogo
Como o barro ao oleiro
Ser refundido.

Voltar brilhante
Como um metal novo
Que perdeu o oxigênio
E deixou as ferrugens no passado.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Fanatismo II

"Minh' alma, de sonhar-te anda florida.
Os meus olhos andam cegos de te ver"
Pois tu és para mim uma flor tão linda
Que posso ganhar rosas e até margaridas.
  
“Que serás para mim o principio e o fim.”
  
No misterioso vaso do teu ser
És a mais linda flor que já vi nascer
Quando te vejo ganho toda graça
Fico desvairado e enlouquecido.

Por saber que neste mundo tudo passa
Até mesmo meu fanatismo por você...

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

domingo, 12 de fevereiro de 2012

O azul


O azul pousou no céu
 azul pousou no mar
Se azul pousar em si mesmo
Onde mais irá pousar?

Acho
Que
Só lhe restará a poesia...


Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Dos dois lados


Correr atrás do vento
Sem nunca pegar as penas
Saltar de felicidades
Invejar o vôo.

Ser amigo até a morte
Estar sempre na defesa
Gritar consigo mesmo
Ouvir muito.

Voar na frente
Coração acelerado
Brincar de mergulhar
Subir a tempo.

Não vacilar na Terra
Entregar cartas de amor
Voltar sempre
Fugir nunca.

Autor:  Gilberto Fernandes teixeira

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Nova ponte



Quero cruzar o rio
Um rio de muitas águas
Águas turbulentas
De um passado sombrio.

“Quero me deitar como uma ponte”
Encurtar as distâncias
Dar mãos as suas margens
Puxar para o encontro.

Quero uma nova paixão
Uma reaproximação com o amor
Religar meus velhos horizontes
Quero passar por sobre esta ponte.

Quero apagar velhas lembranças
Com a tinta da felicidade
Trazer o sol sobre as sombras
E viver intensamente o novo caminho.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Amor virtual

Apenas dois computadores
Sem webcams
Clicando na noite
Você quer tc comigo?

Um amor desconhecido
Muitas palavras na tela
Sumindo e aparecendo
Como o preto no branco.

São duas almas cibernéticas
Mandando versos e sorrisos
E às vezes pedindo desculpas
Pelos erros ortográficos cometidos

Assim seguem as sombras
Um amor virtual sem imagens
Aquele tipo de amor mistério
Amor que não conhece a distância.

Um amor quase platônico
Escrito em Time New Roman
E correspondido
Por um sarcasmo Comic Sans Ms.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Os olhos da noite...



Á noite
E o medo
O medo e a noite.

Saio...
Com medo
Da noite.

Á noite
Com medo
Dos olhos

Os olhos
Com medo
Da noite.

À noite
E os olhos
Os olhos da noite...

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

Sonhos azuis


Sonhei com uma abelha azul
Beijando uma flor azul
Voando em um céu azul
Fazendo um mel azul.

Sonhei com você vestida de azul
Soltando um balão azul
Comendo um bolo azul
Bebendo um vinho azul.

Sonhei correndo em um carro azul
Digitando uma carta azul
Compondo um poema azul
Para uns olhos azuis...

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Coração fértil



Montanhas e vales
Lagos e espelhos
Flores e desertos
Rochas e frio.

Meu planeta Terra
Onde a vida brilha
Com bilhões de formas
Debaixo de um sol amarelo.

Nada teria sentido
Até a beleza seria efêmera
Se o amor não brotasse
Em lugares inimagináveis.

Como nos corações férteis.

Atou: Gilberto Fernandes Teixeira

domingo, 5 de fevereiro de 2012

O relógio da vida



Estou derretendo meu relógio
Não quero mais olhar as horas
Por que sei que no fim da jornada
Meu tempo será eterno.

Tudo que fiz e o que faço
Mesmo o que imaginei fazer
E ainda que viesse a ter feito
“Se não foi por amor nada fiz”

Por que o relógio do amor
Não tem ponteiros
Não tem cor nem preconceitos
Não se desgasta com o tempo.

Ele é o inicio, o fim e o meio
E só dá duas badaladas apenas
Uma na hora em que se nasce
E outra na hora em que se morrer.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

Três amigas



São três pequenas flores
Mas três grandes amigas
Que tiveram a sorte de crescerem juntinhas
Em uma rocha do deserto.

Fico a imaginar suas horas
No silêncio a contemplar as estrelas
E a noite a tremerem de frio
Para acordarem bem cedinho.

São três frágeis amigas
Amarelinhas como o sol que ansiavam
Que resolveram mostrar as faces
Como cálices a espera da água.

Como sempre as chuvas não caem
E elas se recolhem calmamente como a brisa
No findar da tarde para nos dizer que
"São os duros momentos que provam as amizade.”

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Deserto de Atacama



Quando um algodão doce descer do céu
Em forma de nuvens
Quero me lambuzar da paz desta montanha
E deixar meu espírito subir até as estrelas.

Podem passar as horas
Podem passar os dias
Mesmo findar as semanas
Tão pouco acabarem os meses.

Que também serei leve feito pena
E dançarei um tango sobre o vale
Na imensidão da aurora matinal
Onde os dedos da Terra toca os céus.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

Amor de inseto



Sua boca de planta
Cheirando a néctar
Atrai-me como um inseto
Para dentro do seu estômago.

Sei do meu destino cruel
Mas me deixo seduzir como as aranhas
Na esperança do escape
Ou da mais pura sorte.

Fomos feitos um para o outro
Temos a mesma matéria orgânica
Embora com a minha morte
Farei parte da sua vida..

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

O cacto



Era um cacto
E você pensava que eu era rude
Que só tinha espinhos
Que adorava ficar sozinho.

Neste deserto sem flores
Mas a vida é uma caixinha de surpresa
Estive acumulando seiva
Guardando forças.

E de repente buum!
Minha primavera veio
Fiquei assim...
Vermelho de amor.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Nebulosa



Pare!
Olhe!
E escute seu coração
São deserto e flores.

Imagens de estrelas
Não é só um sonho
Ela existe
Está aqui.

Eu confesso que fiquei
Estático e extasiado
Sem voz
E apaixonado.

Eu vi a primeira nebulosa
Sem um telescópio
E ela estava na rocha
Do meu Planeta.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

O vale da lua.


Ao fundo um vale
Vale da lua
Vale dos sonhos
Vale dos pesadelos.

Nada além de uma imagem
Onde o imaginário e o real
Acasalam-se e misturam-se
Deixando filhos e filhas.

Na mente...
Pensamentos de volúpias
Formação do Planeta
Milhões de tragédias.

Um cartão postal
Do passado no presente
Uma distorção do belo na beleza
Um pedaço da lua na Terra.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira